sexta-feira, agosto 31, 2007

Não me apetece ser modesta.

Esta semana em conversa tertuliante por momentos diversos e com mais do que 1 pessoa, confirmei que devo ser mesmo uma Indivídua especial.
Atenção: vai ser o post mais e narcísico que já escrevi!!

Então, estava eu a dizer que me sinto especial.
Especial, mas não especial e diferente. Apenas especial.

Vamos lá desmontar isto.

Especial por não ter a dita vida normal mas essencialmente por conseguir com todo o belo prazer e descontracção, como se melhor coisa não conseguisse fazer na vida, falar com os outros horas a fio das emoções. Divagar, questionar, ponderar, avaliar, fazer espelho...
Ainda há bocado um recente amigo (um amigo de 2 anos é recente) com quem nem estou assim tantas vezes, dizia: És a única pessoa, para além do meu melhor amigo que me consegue dizer o que pensa sobre o que eu sou e deixar-me a pensar por acertar em cheio, desconcertando-me.

Às vezes parece que quando somos adultos não faz sentido falarmos de nós e do outro, sem interesses por trás, apenas numa de crescimento pessoal, apenas porque nos apetece e se proporciona;
parece que na adultez temos de usar da protecção e disfarce perante o resto do mundo do que somos na realidade no mais essencial de nós mesmos;
parece despropositado crescer falando de sentimentos, de emoções, de formas de reagir, como conversação sobre o sexo dos anjos...

Ai como eu gosto de "perder" tempo nestas conversas...!!
Gosto de tertuliar neste campo, gosto de me ver na forma como os outros me veêm, gosto de descobrir a área cega da Janela de Johary.
Gosto, pá!
E sei que faço isto como ninguém!

5 comentários:

Anne Marie disse...

Nem mais!!!
:)
Por isso, hoje.... eheheheheheheh Vai ser fixolas, amigas!
beijso, tenho saudades vossas!!!!

Filipe disse...

Ai davas pra politica... ai davas davas!:)

Mais uma vez comprovo a minha teoria... é preciso uma pessoa se perder para se ir encontrando!

(digo eu q nao percebo nada destas coisas!)

:) *

Beto disse...

Oi!

Literalmente o significado do meu blog !

"
Às vezes parece que quando somos adultos não faz sentido falarmos de nós e do outro, sem interesses por trás, apenas numa de crescimento pessoal, apenas porque nos apetece e se proporciona;
parece que na adultez temos de usar da protecção e disfarce perante o resto do mundo do que somos na realidade no mais essencial de nós mesmos;
parece despropositado crescer falando de sentimentos, de emoções, de formas de reagir, como conversação sobre o sexo dos anjos..."

Fantastico! Estou abismado!

Maríita disse...

E porque é que havias de ser modesta? Nem pensar nisso!

Beijos

Grilinha disse...

Já estou como o anúncio: e se não gsotarmos de nós próprios, quem vai fazê-lo.

Que bom falar quando temos alguém que nos oiça...Que bom gostares de fazê-lo. e aposto que te faz muito bem.

Beijinhos