quarta-feira, setembro 26, 2007

:(

Há dias em que me sinto plenamente uma solitária frustrada.
Nem sei como explicar....
O meu lado touro com o meu grande sol dá-me a força deste animal sem vacilar, com algumas certezas inabaláveis.
Mas há dias em que não sei muito bem qual o meu papel aqui na terra. Procuro respostas sem êxito.
Sinto claramente que há situações na minha vida que surgiram para me fazer serenar à força e me "dar pra trás".
Embora tenha tido a capacidade de as aceitar no dia a dia, desespero de quando em vez.
E é por este desespero que sai a dor e a tristeza.
Sempre fui uma mulher de projectos, de busca, de luta por aquilo que desejo.
Agora estou num marasmo absoluto, intervalado com crises laborais e birras da criança.
Há situações que têm de alterar, mas o que eu podia fazer por elas, já fiz.
Resta-me esperar.
Mas caramba, de vez em quando desespero com esperas de anos. No entretanto... nada.
Confesso que é nestas alturas que questiono a maternidade. Quando imagino o outro projenitor numa de "pai que queria ser tio", fico com raiva de tanta inveja.
Ah como é bom levarmos uma vida sem grandes preocupações sabendo que o motivo do nosso orgulho está bem entregue e a ser cuidado como é suposto!
Quando no telefonema diário de pai, desabafo os dramas diários, ouço coisas como "comigo é diferente porque estou pouco tempo com ela" e "tem calma é uma fase" (ao que respondo a passar-me: "uma fase que dura quase há 2 anos?!" Mas onde é que este gajo anda? neste planeta não deve ser...)
Sim, estou zangada, em raiva e a evitar entrar em auto-piedade (que é uma coisa que me irrita)!!
Quando não penso muito sobre o que me embala (vida) anda tudo fino. Não há sonhos, nem expectativas, logo não há tristezas nem frustrações ou desesperos.
Tudo se leva a cada momento. Vamos deixando andar o barco à deriva. Onde parar, parou.
Até consegui estar no patamar do "alguma coisa o cosmos me quis dizer" ou "o que posso eu aprender com isto?" na maioria dos últimos meses...
Mas caramba, eu não consigo ser sempre assim!
Há coisas que fervem comigo. Há coisas para as quais sou impotente, mas o destino não ajuda a virá-las. Porquê??
Se ao menos eu tivesse uns finais de dias em paz e sem birras pra comer e dormir...!!!!!
Confesso que isto me desgasta e me impede de continuar a sorrir. Se o meu dia já tem estado a ser cheio de incertezas (só os meus "meninos" me dão força para continuar), com estes finais de dia nem me apetece vir pra casa...
Qualquer dia à conta de algum acto falhado ainda me esqueço de a ir buscar ao colégio.

4 comentários:

Anónimo disse...

TINTIN

Aquí só vejo um problema... estás a deixar que seja o teu rebento a controlar a tua vida e não tu a dele... tens de ter calma e seres forte...disciplina e regras..parece um pouco "nazí" mas é assim que tem de ser, eles têm de entender onde estão os limites, e se os souberes impor, garanto-te que eles percebem, e a tua vida vai melhorar

Miguel disse...

Percebo-te, só posso dizer isso! Não...Posso dizer mais. Com esta breve descrição, até posso dizer que somos parecidos. Mas o comentário do anónimo é o tónico que tento imprimir na minha vida. Às vezes consigo, outras não. Quando não consigo, e porque tenho essa facilidade, ignoro a sensação e depois passa.
Um dia de cada vez,e tudo passa.

Smile, diverte-te e se precisares atira-te para o chão. Vais ver que não doi.

lua disse...

mau...alguém explica porque parece que a onda das taurinas divorciadas com filhos anda tão em baixo...e nunca mais começa um ciclo positivo?
:(
bjs,
lua

Mamaíta disse...

Apenas isto:
Um abraco forte e um monte de beijinhos :)